12.11.2016 Viajando de ônibus pelo Leste Europeu

13140636_10208839873931450_12822382_n

Viajar pelo Leste Europeu é vantajoso em diversos sentidos. Além de ser um destino consideravelmente barato, com uma bagagem cultural, fatos históricos e gastronomia cheia de encantos, é também tudo muito compacto. Explico. Em 10 horas de viagem de ônibus você sai da Cracóvia, na Polônia e chega em Praga, na República Tcheca. Ou, de Riga, na Letônia e até a cidade de Kaunas, na Lituânia basta apenas 4 horas de rodovia.

A questão da extensão territorial para nós, que vivemos no Brasil, o quinto maior do mundo com 8.516.000 km², é relativamente complexa ao pensarmos que de São Paulo até Buenos Aires, na Argentina uma viagem de ônibus leva aproximadamente 37 horas. E do mesmo modo da capital paulista, até Santiago, no Chile a jornada pode atingir 56 horas de estrada.

Minha experiência

Como meu tempo de viagem pelo Leste Europeu estava relativamente tranquilo (40 dias), resolvi traçar minha rota – em sua grande maioria- em trajetos de ônibus, no intuito de economizar o máximo possível. Comprei a maioria das passagens com pelo menos dois meses de antecedência pela internet. Não tive nenhum problema, pois uma parte das companhias de ônibus possuem o site também em inglês.

As principais companhias oferecem ônibus estilo luxo, com assentos confortáveis, ar-condicionado, internet, água, chá e serviço de entretenimento (igual de avião). Claro, nem tudo são flores. Pode ser que em algum destino apareça um cacareco vindo lhe buscar (aconteceu comigo).

A vida também é feita de perrengues

Durante todo o trajeto só tive problemas saindo da Cracóvia, na Polônia. Na rodoviária ninguém falava inglês e eu não conseguia entender o motivo do atraso. Compreendi que deveria esperar, mas não sabia por quanto tempo. Resultado: depois de mais de uma hora chegou o ônibus. Eu estava tão apertada para ir ao banheiro (sim, eu não podia sair do ponto) que na hora que chegou dei gritos de alegria.

A animação era tanta que nem reparei na carcaça do lado de fora. Por dentro, ele vindo da Ucrânia, estava caindo aos pedaços. Tanto que não tinha banheiro. Foi preciso concentração e mímica para compadecer o motorista e convencê-lo de parar em um posto na estrada.

Empresas de ônibus e alguns preços

Viajando pela Rússia, Letônia, Lituânia e Polônia utilizei os serviços da Lux Express (http://www.luxexpress.eu). Já pela República Tcheca, Áustria (não é Leste Europeu) e Eslováquia, utilizei a Eurolines (http://www.eurolines.com).

Para chegar na Hungria fui de Orange Ways (http://www.orangeways.com/en) e pela Croácia viajei pela Auto Trans (https://www.autotrans.hr/hr-hr/naslovna).

Para se ter uma ideia de valores, gastei em maio de 2016:

Riga (Letônia) X Kaunas (Lituânia) – 18,80 Euros

Varsóvia (Polônia) X Cracóvia (Polônia) – 10 Euros

Cracóvia (Polônia) X Praga (República Tcheca) – 20 Euros

Budapeste (Hungria) X Zagreb (Croácia) – 12,50 Euros

Vale a pena ressaltar também a importância de verificar o ponto exato de saída e partida do ônibus. Em muitos locais o embarque e desembarque não são realizados em uma rodoviária e sim em pontos na rua. Se tiver dúvidas entre em contato com a empresa. Fique atento!

PLANEJE A SUA VIAGEM!



Booking.com

Olá, meu nome é Thatiane Ferrari

Jornalista especializada em cultura. Já zanzei por mais de 35 países, na maioria das vezes sozinha e com o orçamento curto. Decidi reunir aqui minhas andanças pelo mundo, com o objetivo de compartilhar e estimular a ideia de menos consumo e mais vivência. Viajar é possível, basta planejar!

 ​Kremlin e Mercado Izmailovsky

por: Thatiane Ferrari
Infelizmente eles não são muito divulgados e, quando citados em guias de turismo ganham sempre um pequeno destaque com poucas linhas sobre o que realmente significa, figurando sempre ape...

Andando de VLT no Rio de Janeiro

por: Thatiane Ferrari
  O Veículo Leve sobre Trilhos, conhecido por aqui como VLT é um meio de transporte já consolidado em diversas cidades do mundo. No Brasil a novidade chegou a passos lentos e até o momento um...

Eataly São Paulo

por: Thatiane Ferrari
A culinária italiana me atrai desde pequena, quando passava férias na casa da minha vó e esperava a hora de ajudá-la a fazer deliciosas massas. Da ida ao supermercado, pass...

Crônicas de uma viajante: Bossa Russa

por: Thatiane Ferrari
Desperto no domingo de manhã do outro lado do mundo: Rússia. Na minha frente um dia inteiro de possibilidades e ao meu lado ninguém. Faço a checagem das anotaç&otild...