Trens antigos
Bate e volta para Paranapiacaba

Até parece que ela parou no tempo. Bem lá no meio da Mata Atlântica da Serra do Mar, cerca de 40 km da capital paulista, localizada no distrito de Santo André-SP, está a pequena vila de Paranapiacaba. Suas construções de madeiras, com típicos traços ingleses fazem parte da história da região, que em 1867, conheceu o desenvolvimento com a chegada da São Paulo Railway, uma companhia de trens britânica designada a construir a linha férrea paulista.

 

Na época seus moradores eram todos imigrantes que chegaram ao Brasil para trabalhar na produção da estrada de ferro.  Por conta da expansão do café, foi preciso pensar em maneiras de escoar a produção do Vale do Paraíba até o Porto de Santos. Daquele tempo ainda restam as composições das casas e estruturas dos principais edifícios da comunidade, como o Clube União Lyra Serrano que até hoje abriga eventos. A Vila Ferroviária de Paranapiacaba é atualmente um dos Conjuntos Urbanos Tombados pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) dada a sua relevância.

 

 

Casas de Paranapiacaba

Casas antigas da Vila inglesa de Paranapiacaba

 

O grande destaque da vila é o relógio da estação. Fabricado na Inglaterra pela marca Johnny Walker Benson, ele é como uma espécie de réplica do Big Ben londrino, sendo considerado o símbolo e cartão postal da cidade. Por conta da sua localização próxima de São Paulo, o local é ideal para quem busca um passeio de bate e volta no mesmo dia. Mas para quem quiser esticar um pouquinho, a vila oferece algumas opções de pousadas em Paranapiacaba.

 

Junto a Serra do Mar, o clima por lá é bem úmido e costuma variar bastante. No mesmo dia o céu pode estar aberto e com sol. Minutos depois tudo muda e uma grande névoa toma conta de toda a cidade, sendo impossível ver uma palma a frente. O legal também por lá é explorar a culinária local. Algumas das casas centenárias são também restaurantes e oferecem comida caseira à la carte, por quilo ou à vontade. Para quem gosta de novos sabores vale a pena experimentar o fruto Cambuci. De gosto amargo, ele é usado na fabricação de sucos, geléias, sorvetes e até licores.

 

 

Névoa

Em poucos minutos a névoa chega

 

Veja também:Campos do Jordão-SP: excursão bate e volta
Visitando o Núcleo Cabuçu do Parque Estadual da Cantareira

O que fazer em Paranapiacaba?

Atrativos culturais

Do topo da colina é possível avistar o Museu Castelo, uma construção de 1897, que servia como residência do engenheiro chefe da empresa. De lá ele conseguia ter uma vista privilegiada da estrada e podia conferir o funcionamento de toda a estação. O local é aberto para todos e apresenta aos visitantes documentos, fotos e móveis da época.  

 

Outro ponto de interesse é o Museu Tecnológico Ferroviário. Máquinas, locomotivas e vagões podem ser vistos no antigo pátio de manobras. A visita é oferecida pela Associação Brasileira de Preservação Ferroviária (ABPF), que conserva e restaura os maquinários e objetos expostos. A entidade também opera aos domingos e feriados o passeio de Maria-Fumaça, com uma locomotiva a vapor inglesa de 1867, acoplada em um vagão de primeira classe todo em madeira, fabricado em 1914. O trecho tem duração de 20 minutos.

 

 

Edifícios antigos em Paranapiacaba

Parece que paramos no tempo

 

 

Ecoturismo em Paranapiacaba

Não é à toa que a cidade foi batizada pelos índios tupi-guarani de Paranapiacaba, que significa “lugar onde se vê o mar”. Por dentro da mata, o Parque Natural Municipal Nascentes de Paranapiacaba esconde belezas naturais e paisagens de tirar o fôlego. Há diversas trilhas no local, com diferentes níveis de tempo e dificuldade. Para se aventurar por lá é necessário contratar um guia especializado, pois é proibido entrar sozinho.

 

Carnaval na Vila

Paranapiacaba se tornou ao longo dos anos um dos principais pontos para pular carnaval em Santo André-SP. Com o Bloco de Rua Paranafolia, os foliões saem pela tradicional Vila ao som de animadas marchinhas. Na cidade costuma ter também matinê infantil no Antigo Mercado, construído em 1897.

 

 

antiga estação de trem de Paranapiacaba

Maquinários da antiga estação de trem de Paranapiacaba

 

Festival de Inverno em Paranapiacaba

Já virou tradição por lá… Todos os anos é realizado o Festival de Inverno de Paranapiacaba, com diversos shows que atraem turistas de todas as regiões de São Paulo. Milhares de pessoas tomam conta das pequenas ruas da Vila e enfrentam o vento frio e a névoa costumeira.

 

 

Casas da antiga vila inglesa

Detalhes das antigas casas

 


Paranapiacaba: como chegar de transporte público?


Expresso turístico 

A Companhia Paulista de Trens Metropolitanos opera aos domingos o Expresso Turístico , um serviço ferroviário que oferece aos passageiros uma viagem a bordo de uma locomotiva da década de 1960 até a Vila de Paranapiacaba. No total, a viagem dura cerca de 1h30 e é feita na mesma linha que circula os trens comuns. O passeio parte da Estação da Luz, mas apresenta também a opção sair da Estação Prefeito Celso Daniel – Santo André, com um abatimento (muito pequeno) no preço do ingresso. A tarifa sai por R$ 50,00 (ida e volta)  e pode ser comprada nas estações de partida das 9h às 18h. O bilhete contempla apenas o transporte, ao chegar no local o viajante terá que buscar as opções de turismo de forma independente.

 

Trem da CPTM

É necessário descer na estação Rio Grande da Serra, da linha 10, Turquesa da CPTM. É de lá que sai o 424, ônibus da Viação Ribeirão Pires que leva até a parte alta da cidade de Paranapiacaba. Ao chegar é preciso atravessar a passarela até a parte baixa, na região histórica. Uma curiosidade é que a estação de trem Rio Grande da Serra foi tombada como Patrimônio Histórico de São Paulo, então vale a pena prestar atenção nos detalhes!

 

PLANEJE A SUA VIAGEM!

Booking.com

Olá, meu nome é Thatiane Ferrari

Jornalista especializada em cultura. Já zanzei por mais de 35 países, na maioria das vezes sozinha e com o orçamento curto. Decidi reunir aqui minhas andanças pelo mundo, com o objetivo de compartilhar e estimular a ideia de menos consumo e mais vivência. Viajar é possível, basta planejar!