Viajando sozinha pelo Egito

11143709_10206742760864934_4076814995470479463_o

Tenho o vício, mania, gosto por viajar sozinha. Antes eu até procurava companhia porém, agora não as procuro mais. Depois da minha primeira viagem solo e de experimentar as delícias de decidir por completo um roteiro, confesso que temo ao pensar em dividir o caminho.

A ideia de ir para o Egito colocou tudo isso em questão e em certo momento me vi um pouco confusa. Como me aventurar por terras distantes, sozinha em um país conservador, em uma região super populada, sem falar bem inglês e com orçamento de mochileira?

Sim, passei algumas noites sem dormir, com aquele aperto no coração que só quem já teve que cortar um trajeto do mapa sentiu. A cada pesquisa me sentia mais confusa e o meu sonho de conhecer (em um primeiro momento) as pirâmides ficava cada vez mais distante.

Precisei de um tempo para conseguir encontrar o blog Revivendo Viagens da Renata Campos e encontrar enfim a Holaegypt Tours, uma agência egípcia que atende por todo o Egito e oferece em alguns destinos guias em espanhol. A grande vantagem deles são os preços acessíveis e visíveis no site. Achei bem honesto, pois explica todos os gastos a mais e os opcionais, além de conter uma tabela com os valores dos ingressos que são pagos à parte.

Todos os contatos com a Holaegypt Tours foram realizados por e-mail em inglês. Super paciente, a Anna Nagy foi a responsável pela organização da minha viagem. Sempre que tinha qualquer dúvida escrevia para ela e de maneira rápida e objetiva ela me respondia.

Contratei o Day Tour nas pirâmides de Giza, Sakkara e Memphis, no Cairo e o Tour de trem até Aswan e depois Cruzeiro no Nilo até Luxor (5 dias e 6 noites). Alguns amigos que fiz durante a viagem compraram seus pacotes na própria cidade com um preço mais em conta.

Na minha opinião, na cidade do Cairo só compensa fechar um pacote de passeios para as pirâmides. Além de serem distantes umas das outras, elas estão em uma região afastada e de carro é bem melhor. Sem contar da importância do contato com um egiptólogo para explicar cada detalhe das pirâmides e dinastias pertencentes. Samara, minha guia particular, teve toda a paciência para me ensinar e responder as minhas incansáveis perguntas tanto sobre a história do local quanto dos costumes praticados hoje pelos egípcios.

Você pode ir tranquilamente sozinha até o Museu do Cairo (e lá contratar um guia se sentir necessidade), a Cidadela, a Cairo Tower, comer Koskary ou ao Mercado Khan al-Khalili. Para quem assim como eu gosta de vivenciar a cultura local, acho importante ter esses momentos mais soltos.

Obviamente que por ser um país muçulmano e bem tradicional é preciso ficar atento na hora de escolher suas roupas, ainda mais se você for uma mulher sozinha andando pelas ruas. No primeiro dia como estava ainda me adaptando ao calor resolvi vestir uma blusa de manga curta (sem mostrar os ombros) e para a minha surpresa quase parei o Cairo. As pessoas se cutucavam para me ver passar. Homens, mulheres, crianças, idosos. Todos me olhavam. Pediram até para tirar fotos comigo.

É um misto de curiosidade e reprovação. Não gostei do que senti. Preferi passar calor e tentar ficar um pouco mais anônima.

A viagem de trem para Aswan durou 13 horas, na classe comum com ar-condicionado. Durante a viagem é possível comprar bebidas e snacks, porém preferi levar um kit lanche para encarar a aventura África adentro. O pacote com a Holaegypt Tours inclui todos os transfers. Sem eles confesso que seria impossível conseguir encontrar a plataforma e vencer a multidão de gente com a minha mala. Solo, meu motorista me deixou dentro do vagão e só saiu de lá quando o trem partiu.

Meu relato continua nos próximos capítulos…

11731623_10206742793265744_2397460813806959025_o

Samara, minha guia durante o tour nas pirâmides de Giza, Sakkara e Memphis

 

11011536_10206742761344946_6318227028330721770_o

Esfinge: um sonho realizado!

 

11059593_10206742737984362_2734366550184132591_n

Um pouco de como são as ruas no Cairo

 

11141300_10206742759464899_8349919659411337283_n

Esse é o Solo, meu motorista no Cairo

 

11143491_10206743044272019_6557754806912752402_o

Andando sozinha pela cidade (foto com temporizador kkkk)

 

11705453_10206742736344321_3776935312081738172_o

Momento registrado por Samara, minha guia (e fotógrafa)!

 

Museu da Mumificação em Luxor no Egito

Museu da Mumificação Luxor

Localizado em frente ao Rio Nilo, ao lado do Templo de Luxor, o Museu da Mumificação reúne uma série de peças que contam o procedimento funerário aplicado após a morte dos nobres e faraós.

Neste pequeno espaço inaugurado em 1997, é possível encontrar os instrumentos originais para a remoção das vísceras, materias necessários para a dissecação, vasos para guardar os órgãos e
alguns animais mumificados. Além disso, o visitante poderá visitar a múmia e o sarcófago de um sumo sacerdote do faraó da 21ª dinastia.

Há também um painel contando o passo a passo da mumificação na visão do Antigo Egito. O local é pequeno, por este motivo recomendo a visita apenas para quem realmente possui interesse no assunto. É proibido tirar fotos.

Nesse vídeo encontrado na internet é possível conhecer algumas das peças:

Serviço:
Museu da Mumificação
Corniche el-Nil, Centro de Luxor –  Egito
Entrada: 60 libras egípcias – 30 libras egípcias (estudantes)
Informações: http://www.sca-egypt.org/eng/MUS_Mummification.htm

Restaurante Egípcio Koshary Abou Tarek

AbouTarek
Arroz, macarrão, lentilha, grão de bico e cebola frita. Tudo isso regado com um suculento molho de tomates. Deu água na boca?

Esse é o koshary, tradicional comida que não pode faltar na mesa dos egípcios. É como se fosse o arroz e feijão para nós, brasileiros. A aparência não é tão boa, mas o gosto posso lhe garantir que é muito bom.

No Egito ele é tão popular que alguns restaurantes se especializaram e só possuem no cardápio esse prato. É o caso do Koskary Abou Tarek, um restaurante de 4 andares tipicamente egípcio que recebe poucos turistas. É curioso perceber que todas as vezes que fui a televisão estava ligada em algum canal que exibe ao vivo a movimentação perto da Caaba, a pedra negra que fica em Meca, na Arábia Saudita.

Os garçons são super atenciosos e alguns falam inglês. O atendimento é rápido e muito barato. Para se ter uma ideia, em junho de 2015 o prato médio estava 10 libras egípcias e o grande 15 libras egípcias.  Ele é próximo ao Museu do Cairo, porém os bares, o comércio e a sujeira da rua assusta um pouco, mas não deixe de ir.  Certamente é uma opção deliciosa e barata para quem gosta de vivenciar também a culinária local.

O canal de notícias norte-americano CNN fez uma matéria especial no restaurante. Confira:

Serviços:
Koshary Abou Tarek
16 St. Champolion – Cairo
Facebook: Koshary Abou Tarek

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...